Terça-feira, 2 de Maio de 2006

Jogos deste fim de semana

JORNADA 31 2006-04-30
Visitado   Visitante
Rebordosa  3-1  Ataense
Canedo  4-0  Cinfães
Vila Meã  4-3  Valonguense
Vilanovense  2-1  Vila Real
Ermesinde  2-2  Padroense
Tirsense  3-2  S. Pedro Cova
Rio Tinto  1-1  Leça
Tarouquense  0-2  Lourosa
publicado por grupodesportivomoncorvo às 23:57
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 27 de Abril de 2006

Matriz dos resultados época 2005/2006

III Divisão Série B 2005/2006

PortugalPortugal | UEFA

publicado por grupodesportivomoncorvo às 15:08
link do post | comentar | favorito

Plantel 2005/2006

Grupos Desportivo da Torre de Moncorvo

PortugalPortugal | Torre de Moncorvo | fundado em 1967

Grupos Desportivo da Torre de Moncorvo
Informação Geral
Nome Moncorvo
Ano de Fundação 1967
Presidente Engº José Manuel Aires
Cidade Torre de Moncorvo
País Portugal Portugal
Web -
Marca Equipamento Patrick
Patrocínio Capicua 303


« Época Anterior Época 2005/2006 Época Seguinte »
PLANTEL
Num. Nome Nacionalidade Posicao
 7  Flavio Pereira Portuguesa Avançado
 1  Rui Rego Portuguesa Guarda Redes
 2  Nunes Portuguesa Defesa
 3  Mário Portuguesa Defesa
 5  Rafa Portuguesa Médio
 6  Pedro Portuguesa Defesa
 17  Alexandre Portuguesa Defesa
 12  Fonseca Portuguesa Guarda Redes
 13  Luis Miguel Portuguesa Defesa
 8  Elisio Portuguesa Avançado
 11  Flavio Portuguesa Avançado
 6  Joao Ribeiro Portuguesa Médio
 18  Joca Portuguesa Defesa
 16  Paulo Dores Portuguesa Médio
 15  Flavio Portuguesa Avançado
 14  Vieira Portuguesa Defesa
 10  Hugo Portuguesa Avançado
 21  Rudy Portuguesa Médio
 4  Nandinho Portuguesa Defesa
 22  Ruben Portuguesa Médio
 23  André Portuguesa Defesa
 24  Silvio Portuguesa Avançado
 9  Nuno Cunha Portuguesa Defesa

EQUIPA TÉCNICA
NOME Nacionalidade FUNÇÃO
Silvio Carvalho Portuguesa Treinador
Tomas Dias Portuguesa Treinador Adjunto
Valdemar Portuguesa Massagista
Alfredo Pinto Portuguesa Delegado

publicado por grupodesportivomoncorvo às 14:46
link do post | comentar | favorito

Estádio Engº José Aires

Estádio Engº José Aires

PortugalPortugal

Ano de Inauguração: 1998
País: Portugal Portugal
Local: Torre de Moncorvo
Medidas:  
Lotação: 2000
Arquitecto: Ana Rodrigues
tags:
publicado por grupodesportivomoncorvo às 14:45
link do post | comentar | favorito

Entrevista do Engº José Aires - 2005

O sucesso é muitas vezes objecto de inveja e maledicência

José Aires, Presidente do Grupo Desportivo de Moncorvo:

- Há quantos anos é que preside à Direcção do Grupo Desportivo de Moncorvo?
- Presido à Direcção do GDM vai para 17 anos.

- Que objectivos se propôs quando aceitou presidir ao GDM?
- Melhorar as infra-estruturas para assim proporcionar melhores condições de trabalho aos atletas e equipas técnicas e procurar alcançar a desejada manutenção nos Nacionais, no que concerne aos Seniores.
Em relação às camadas Jovens procurar relançar todos os escalões, o que nunca tinha sido conseguido anteriormente.

- Esses objectivos têm sido conseguidos?
- Todos conseguidos, à excepção dos dois últimos anos, já que, em virtude de termos apenas o campo principal, que é relvado, só entramos em três escalões. Está em acabamento um campo municipal de jogos de apoio ao Complexo Desportivo, que permitirá, a quem vier depois de nós, manter todos os escalões em actividade.

- Em determinada altura, já lá vão alguns anos, pareceu haver uma proposta numa maior profissionalização do GDM. Entretanto, essa estratégia parece ter sido substituída por uma maior aposta na prata da casa. Porquê essa mudança?
- O GDM é um clube semi-profissional, pois tem, no seu plantel, 7 atletas formados no clube, um professor que aqui lecciona e 12 atletas profissionais. O ideal seria jogar nesta difícil série da III, apenas com jogadores da terra, mas tal é impossível em virtude da pouca competitividade dos campeonatos distritais de camadas jovens e para além deste défice existe o facto de aqui em Moncorvo não haver Universidade.
Ainda no ano transacto seis atletas que passaram por todos os escalões do clube e que por acaso foram os melhores da sua geração tiveram que ir estudar para fora. No entanto pensamos que o GDM deve proporcionar a prática desportiva a todos os Jovens do Concelho, tendo nós noção que o aproveitamento para os Seniores nunca será o desejável. De referir que no ano anterior o atleta iniciado Flávio foi representar o Boavista.

- Para lá da equipa que participa no Nacional da III Divisão, que outras actividades são promovidas pelo GDM, sobretudo ao nível da formação dos jovens do concelho?
- Penso que respondi anteriormente.

- Quantos jovens frequentam as escolas de formação ou os treinos do GDM?
- Geralmente são 100 jovens [os que frequentam as escolas de formação] e no futuro voltarão a sê-lo, com a excepção destes 2 anos, pelos motivos já referidos.

- No passado, o GDM subia, num ano, do Campeonato Distrital para a III Divisão Nacional e, no ano seguinte, descia novamente para o Distrital. Pela primeira vez na sua história, este ano o GDM conseguiu a proeza de se manter pela 3ª época consecutiva na III Divisão Nacional. Como conseguiram esse feito?
- A experiência adquirida ao longo destes anos, em que não conseguimos os objectivos, foi determinante. Aprendemos com os erros cometidos.

- Das equipas do distrito de Bragança que, este ano, militavam nos Nacionais de Futebol, o Atlético de Macedo de Cavaleiros e o Desportivo de Bragança desceram de Divisão. Moncorvo foi a única equipa do distrito que conseguiu manter-se no escalão nacional em que se encontrava. Isso significa que os investimentos feitos pelo GDM são maiores que os das outras duas equipas?
- Penso que a descida do Bragança ainda não é um dado adquirido e espero sinceramente que se mantenha. Em relação ao Atlético Clube de Macedo os nossos desejos de um rápido regresso ao Nacional.
Quanto ao investimento, refiro que o Tirsense gastou 120.000.000$00 e só conseguiu a manutenção na última jornada. Logo não é só o dinheiro que conta. Para além disso não sei o investimento dessas duas equipas.

- Qual é o orçamento real do GDM no ano desportivo agora findo?
- Na época que agora terminou o orçamento foi de 50.000 contos (250.000 Euros).

- Para lá dos dinheiros dos bilhetes cobrados nos jogos para o Campeonato Nacional, que outras receitas próprias são geradas pelo clube?
- Receitas de Publicidade, Tômbolas, sorteios quinzenais, sorteio anual de um automóvel, lugares cativos e quotizações (800 sócios), protocolo com a Câmara Municipal, Patrocinador oficial, etc.

- Desse orçamento quanto é que recebem da Câmara Municipal e qual é a fatia das receitas próprias?
- Temos um contrato-programa assinado com a Autarquia, relativo à manutenção do estádio e ao fomento do desenvolvimento desportivo no concelho no montante global de 30.000 contos (150.000 Euros). Convém esclarecer que esta verba engloba já a despesa toda com a manutenção do Complexo Desportivo que inclui a manutenção do relvado, respectivas instalações e equipamentos, bem como os encargos resultante da manutenção de 4 (quatro) postos de trabalho a tempo inteiro.
Quanto às receitas próprias, elas resultam dos patrocínios das camisolas, da publicidade estática no Estádio ( 95 Placard’s), cerca de seiscentos sócios pagantes, das receitas dos jogos, da venda de lugares cativos na bancada central e ainda de diversas iniciativas como seja a realização de tômbolas, sorteio de automóveis, outros sorteios intercalares de menor dimensão, venda de material promocional, etc.

- Diz-se, por vezes, em Moncorvo que a Câmara Municipal subsidia o Desportivo em largas dezenas de milhares de contos. Isso é verdade?
- Efectivamente é comum num meio como o nosso ouvirmos afirmações dessas, esquecendo-se o mais importante, que é o trabalho árduo, persistente, imaginativo e continuado que os Directores e Equipa Técnica, deste clube, desenvolvem há já 17 anos. Infelizmente é com mágoa que o digo, quando se tem sucesso, logo aparecem uns quantos a pôr em causa esse mesmo sucesso, que não é meu, mas do GDM e do Concelho de Moncorvo.

- O facto de o Presidente do Desportivo ser Vice-presidente da Câmara Municipal não se presta a essas suspeitas?
- Exerço com igual orgulho e sentido de missão as funções de Presidente do GDM e de Vice-Presidente da Câmara Municipal, há já longos anos e os Moncorvenses sabem bem qual tem sido a minha postura na vida.

- Qual a importância do desporto, em geral, e de uma equipa de futebol, em particular, pode ter para a juventude do concelho?
- Desporto é saúde e logo crescimento saudável, para além das crianças de a mais tenra idade sentirem uma forte atracção pelo futebol, procurando imitar os seus ídolos. Se nas localidades como Moncorvo houver uma boa oferta no que diz respeito a condições de trabalho, bem como uma equipa de futebol com atletas de um certo nível, os miúdos terão uma maior motivação pois geralmente vêem os jogos e conhecem os atletas.

- Os investimentos feitos com a equipa de futebol não seriam melhor aproveitados se fossem aplicados no fomento do desporto para os jovens do concelho e não numa equipa de futebol que é constituída maioritariamente por jogadores de outros concelhos e de outras regiões?
- Já anteriormente foquei o aspecto da falta de competitividade das componentes das camadas jovens, para além do aspecto importante de não haver universidade em Moncorvo. Para além disso o concelho de Moncorvo tem 10.000 habitantes e em relação a outros concelhos do litoral existem poucos atletas, o que limita a escolha. No distrito passámos de um dos Campeonatos menos competitivos do País, para uma das melhores, senão a melhor série de toda a III Divisão, o que torna difícil, senão impossível, conseguir que a maioria dos atletas sejam de Moncorvo. No último Distrital em que fomos campeões só dois atletas é que não foram formados nas camadas jovens do GDM. Isso, na III Divisão, para já é impossível, embora fosse o ideal.

- Acha que o Estádio Municipal veio trazer outras condições de trabalho ao Desportivo de Moncorvo?
- Inegavelmente e também outra motivação para quem aqui trabalha.

- Sem esse Estádio teria sido possível manter o clube de Moncorvo, 3 anos consecutivos, no Campeonato Nacional?
- No 1º ano da manutenção na III Divisão, jogámos no Campo de São Paulo, e também conseguimos este objectivo. Claro que com o Complexo Desportivo abriram-se outras perspectivas para a colectividade quer em termos de motivação quer no aspecto financeiro, pois os investimentos em publicidade aumentaram, bem como melhoraram as condições de trabalho para os atletas, dirigentes e técnicos, maior conforto para o público, comunicação social, maior interesse dos privados em publicitar os seus produtos e serviços e por conseguinte aumento das receitas.
Mas o mais importante foi, em 1º lugar, o desempenho dos atletas, da equipa técnica, directores e de todos os Moncorvenses que, Domingo a Domingo, nos têm apoiado dentro e fora do concelho, neste difícil e competitivo mas sempre emocionante campeonato da III Divisão Série B.
A finalizar quero deixar em nome desta grande família que é o GDM um sincero obrigado por terem acreditado em Nós.

Jornal do Nordeste - 2005

 
publicado por grupodesportivomoncorvo às 14:42
link do post | comentar | favorito

.Grupo Desportivo Torre de Moncorvo

.pesquisar

 

.Maio 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Artigos Recentes

. Jogos deste fim de semana

. Matriz dos resultados épo...

. Plantel 2005/2006

. Estádio Engº José Aires

. Entrevista do Engº José A...

.arquivos

. Maio 2006

. Abril 2006

.tags

. todas as tags

.links

SAPO Blogs

.subscrever feeds